manifestando o Reino em meio à adoração, intercessão e batalha espiritual

Eleições 2018

Como é impossível não notar, já está tomando forma o pleito eleitoral de 2018 na nação brasileira. Isso é visto com a realização das convenções dos partidos. Através delas, aqueles que figuravam apenas como pré-candidatos, são efetivados ou não, segundo as regras de cada partido político.

Sinceramente, acredito que não apenas o meu, mas o desejo de todos nós, é que houvesse uma grande dificuldade de escolhermos em quem votar, por causa da abundância de bons candidatos e excelentes propostas. Infelizmente não é isso que acontece.

Ficamos cada vez mais surpresos com o show das convenções partidárias. Mesmos que os postulantes apresentados não tenham a mínima condição de se quer concorrer ao cargo e muito menos ocupá-lo; estes são apresentados como a solução de todos os problemas da nação.

Homens tão frágeis quanto qualquer outro, são apresentados como se tivessem super poderes. E isso acontece, mesmo que todos saibam que ele só foi colocado ali por uma série de conveniências e negociatas. Raramente é escolhido por sua competência, capacidade e serviços prestados à população, durante sua vida pública. Aliás, muitas vezes, este diagnóstico o desqualificaria para tal posição. No entanto, nada disso importa para a maneira interesseira de se fazer política nesse país e em tantos lugares do mundo.

Com a operação Lava Jato em pleno desenvolvimento, muitos dos caciques políticos sabem que estão sendo investigados e que existe uma possibilidade real de acabarem sendo alcançados pela justiça e postos atrás das grades. Esse risco os coloca numa alucinada procura por algum meio de se perpetuarem no poder e assim não perderem o famigerado foro privilegiado. Em nenhum momento pensam no Brasil e em nossa gente, mas apenas em como não perderem seus privilégios. Como não perder os impérios que construíram? Como não devolverem toda a fortuna que roubaram dos cofres públicos?

Fazem cálculos, traçam planos e projetam com base no toma lá, da cá. Desprezando a confiança dos eleitores e a ideologia das siglas de seus partidos, realizam alianças insustentáveis, do ponto de vista das bandeiras que professam defender. Mas e daí, não é mesmo? O importante agora é ganhar a eleição, ou pelo menos ficar bem com quem ganhar e se livrar das barras da lei.

Mas se as coisas são assim e infelizmente, sabemos que são, o que fazer? Abandonar a chance da mudança, através de um alienismo político? Deixar de votar e se envolver na única possibilidade real de transformação do quadro que tem se apresentado a décadas? Afastar-se completamente deste sistema e deixar que estes “monstros da política” sigam sem nenhuma resistência?

Se pensarmos que nas festas das convenções, cada partido ou aliança apresenta homens limitados como se fossem deuses; será que nós, que servimos ao Deus Vivo, não podemos confiar Nele para encontrar esperança para mudança e transformação? É claro que podemos!

Não havia a mínima esperança nos dias de José, mas o Senhor o colocou no governo do Egito. Ninguém conhecia o tal do pastorzinho da família de Jessé, mas o Senhor colocou Davi pra reinar sobre todo o Israel. O extermínio dos judeus era certo na Medo Pérsia, mas Deus levantou Ester e Mordecai. Ninguém poderia nos livrar do império das trevas, mas Papai enviou Jesus para reinar sobre todos nós.

Sendo assim, queria desafiá-lo a não desistir de participar do processo. Não desista de votar. E nesta hora a pergunta é lógica: participar como e votar em quem?

A primeira coisa a fazer é orar. Com a morte e ressurreição de Jesus, fomos feitos sacerdotes. Nessa condição, podemos nos apresentar diante do Trono em adoração e intercessão. Podemos apresentar a nossa nação ao Senhor e pedir a intervenção Dele. Estamos totalmente certos quando não encontramos esperança nenhuma nos homens. Mas estamos totalmente errados se acharmos que Deus não se importa com resultado das eleições no Brasil.

A segunda coisa a fazer é ouvir do Senhor quais são os “homens-segredo” que Ele tem pra esse momento. Essas eleições devem definir novos deputados estaduais, deputados federais, senadores, governadores e presidente da república. Não serão anjos e nem santos, mas serão os que Deus guardou para estas eleições e que farão a diferença. Eles não são conhecidos e a mídia não falará bem deles. E isso é bom, para que não chamem a atenção, mas Deus os conhece. Se elegerão por milagre! O Senhor lhes dirá os nomes e você intercederá por eles.

Outra coisa a fazer é guerrear contra os encantamentos operados para fortalecer os instrumentos de satanás. O sangue de crianças, de virgens, de animais e outras oferendas são colocadas para os demônios protegerem e levantarem os políticos do mal. Mas nós temos o Sangue de um sacrifício muito mais poderoso. Eles precisam de muitos, mas nós temos um que é definitivo. Eles apresentam a satanás, mas nós apresentamos o Sangue de Jesus ao Deus Todo Poderoso. Eles apresentarão e pedirão a vontade dos homens à satanás. Nós clamaremos para que venha o Reino e a vontade do Eterno seja feita na terra, como é no céu. Dessa maneira, não temos dúvidas que somente o melhor será feito. Podemos não entender, mas sabemos de antemão que o melhor será feito.

É bom lembrar também, que não buscamos um governo segundo a vontade de Deus, afim de que governe pra nós ou qualquer outro grupo. Desejamos que pessoas limpas sejam levantadas, para que sejam canais do Senhor na manifestação de sua justiça. São pessoas de justiça que se submeterão à lei, que cumprirão suas promessas de campanha, que se preocuparão com o órfão, a viúva, o aflito e o necessitado; enfim; que procurarão atender a necessidade de quem mais precisa. E isso, sem demagogia ou populismo.

No meio do agito das convenções partidárias mais absurdas que já presenciamos, essas posturas talvez definam nossa convenção. Escolhemos apoiar todo candidato que o Senhor já definiu em seu coração. São homens e mulheres que estão escondidos Nele. Não porque sejam dessa ou daquela religião. Mas porque existe algo neles que é o componente perfeito neste processo de real transformação no Brasil, e Deus sabe o que é e quem são estas pessoas.

Daqui até 07 e 28 de outubro temos muito que orar e guerrear. Não adianta ficar reclamando ou se esquivando das discussões políticas. Sei que está tão indignado quanto eu e a vontade que temos é jogar tudo pro alto, deixando que eles se virem com suas corrupções, mentiras e disputas de poder. Mas se fizermos isso, Papai não poderá trazer a Justiça que está em seu coração. Portanto, vamos nos levantar e nos apresentar para a batalha. é hora de trazer a verdadeira mudança em Nome de Jesus, o Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado